Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Comau: a qualidade entra no mundo da IoT

“Graças à digitalização, estamos experimentando novas abordagens e tecnologias inovadoras para otimizar o Quality System da empresa”

O que significa qualidade para uma grande empresa?

“Uma das finalidades da equipe de Qualidade é contribuir para a criação e manutenção de um Sistema de Processos simples e integrado com o qual a empresa possa trabalhar, medindo seu desempenho. Mas não é só isso. Para qualquer empresa, a Qualidade deve ser vinculada ao negócio, com o objetivo de oferecer aos clientes a solução mais adequada, nos prazos concordados, sem problemas de inicialização, garantindo a máxima confiabilidade ao longo do tempo. A Comau garante a qualidade de cada um desses passos graças a seu Quality Management System, em conformidade com a norma ISO 9001:2015, mas também através da aplicação das certificações ISO 14001:2015, ISO 50001 e OHSAS 18001, dedicadas respectivamente ao meio ambiente, à segurança e à energia. Até a mais recente certificação VDA 6.4 para o setor automobilístico e a divisão Electrification, que em 2019 se agregou ao Management System da empresa”.

Quais são os objetivos a alcançar?

“Para uma empresa, a capacidade de gestão dos problemas e a velocidade de solução fazem a diferença no mercado. Ao trabalhar sobre a possibilidade de verificação de um problema, procurando resolvê-lo antes que se manifeste, prevenindo-o, a qualidade oferecida aos clientes pode aumentar exponencialmente. Por isto, a equipe da Comau está experimentando projetos inovadores, nos quais a Qualidade é abordada sob um ponto de vista de “prevenção” e não de “reação”. Graças à IoT, ao 5G, à produção inteligente e digital, temos à disposição tecnologias capazes de confrontar os dados provenientes de diversas unidades produtivas, analisar as tendências, compará-los aos dados de processo esperados, para indicar antecipadamente um problema que poderia se verificar e corrigi-lo antes que aconteça. Para que isto seja possível, é necessário alterar os modos com que se pensa em Qualidade, questionando-se em primeiro lugar como é possível evitar o surgimento de um problema técnico, dotando cada unidade de trabalho de ferramentas digitais capazes de monitorar andamentos e processos”.

Quais ferramentas vocês utilizam?

“Por exemplo, in.Grid, a nova plataforma da Comau para análise e monitoramento em tempo real dos dados provenientes dos sistemas e da própria linha de produção, em uma abordagem de manutenção preditiva. Esta tecnologia permite manter o acompanhamento dos processos de produção automatizados, mas também daqueles manuais, graças à utilização de smartwatches ou tablets à disposição dos operadores. Na prática, a coleta e o processamento dos dados são atuados ao nível da máquina, da linha ou da fábrica, enquanto a plataforma de análise dos dados, com seus algoritmos de alto nível, as funções de inteligência artificial (AI) e de memorização, pode se localizar na fábrica ou em um centro de dados esterno ou em uma nuvem privada, para depois serem compartilhados através de dispositivos móveis. Além disso, a Comau está investindo no tema da qualidade não apenas experimentando ferramentas inovadoras e IoT, como o In.grid, mas também trabalhando nas pessoas com projetos de formação direcionados”.

FORMAÇÃO Qualidade como transformação cultural

Com o objetivo de criar uma verdadeira Cultura da Qualidade, graças à sua Academy, a Comau lançou o projeto "Reactive Program" que se vale da metodologia Kepner-Tregoe para obter um diagnóstico robusto, definitivo e eficiente. Em 2017, a Comau foi premiada com um reconhecimento em nível global, pela implementação do método de PA - Problem Analysis, durante o desenvolvimento de novas soluções de Body Assembly. A isto se une um novo projeto de implementação dentro das fábricas dos “Dojo””. Trata-se de cenários de formação alternativos que partem da avaliação dos problemas que encontra o cliente, para analisar todas as condições potenciais que poderiam gerar aquele próprio problema: “Em resumo, mais do que explicar ao operador o que fazer, seguindo uma abordagem tradicional, esclarecemos porque fazê-lo e o que acontece caso não se trabalhe em conformidade com aquele modo. Uma abordagem que cria maior envolvimento entre empresa e o próprio operador, e uma maior consciência em relação a trabalho a ser feito e os modos com os quais encará-lo, para que a qualidade seja parte efetiva de todos”.

Reusable Content named '' not found