Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Entrevista com o CEO da Comau

A nova era da automação

Mauro Fenzi, CEO da Comau, explica os princípios da nova era da automação: robôs abertos, intuitivos, amigáveis, fáceis de usar, colaborativos, baseados nas interações humanas e na inovação contínua. É uma abordagem que muda a maneira de pensarmos sobre a automação industrial que a Comau adotou há vários anos atrás.

Mauro Fenzi

Fale-nos sobre as novas fronteiras da automação no plano de inovação da Comau.

Ao longo dos últimos anos, nós temos desenvolvido um plano de inovação com o propósito de mudar o próprio conceito da automação industrial, transformando-a em uma automação aberta. Isso significa fazer uma automação mais fácil e mais acessível. E também significa menos tempo para treinar operários. E o mais importante, significa um retorno maior sobre o investimento em qualquer setor em que a manufatura tem um papel importante.


Nós temos nos desafiado à “manter simples” e fazendo isso, nós definimos a essência dos princípios da automação aberta. Nós aplicamos esta filosofia, primeiro, nos nossos próprios robôs e em trazer o usuário para perto dos sistemas, nós fizemos o uso deles mais simples e intuitivos.

A automação efetivamente pode ser complexa de se criar, mas deve ser intuitiva e simples de aprender.

Nossa abordagem para produzir inovação é muito similar a abordagem da tecnologia por trás dos produtos de sucesso como os smartphones. Estes produtos são inevitavelmente complicados e sofisticados por dentro, mas com uma interface homem-maquina que é fácil de usar e adaptada às necessidades do usuário. Em resumo, é complexa para quem está projetando, mas fácil para quem está usando.

Enquanto isso, acreditamos firmemente na inovação do modelo de negócios e nos oferecemos como parceiros de atividades educacionais no campo da automação industrial. Nosso objetivo é fazer e ajudar a desenvolver a cultura da automação em outras empresas independentemente se são ou não clientes.

Qual o papel das startups no plano de estratégia e inovação de vocês?

Nós seguimos muitas startups com grande interesse em compartilhar o comprometimento em alavancar a inovação e no desenvolvimento de protótipos. Um resultado importante desta colaboração com algumas startups é representada pela produção da primeira série de produtos e tecnologias mais inovadoras. Desta forma Comau pode avaliar a viabilidade prática de um projeto.

Nosso pessoal tem contato diário com startups mundo afora – De San Diego à Itália – o que testemunha a maneira como a Comau tem se adaptado as mudanças de cenário do mercado.

Eu frequentemente uso o Skype para conduzir vídeo conferências com “jovens” do outro lado do globo que estão trabalhando de  maneira revolucionária e desenvolvendo novos produtos com pouco recursos e num prazo muito reduzido.

As startups com as quais colaboramos formam uma parte da nossa rede de inovação e esta colaboração é bem sucedida mutuamente porque nossa cultura da automação é construída por pessoas – que como eu disse em várias ocasiões, são nosso maior ativo – nossa abertura e transparência.  

Quais setores industriais vocês tem mirado?

Por mais de 4 décadas, nossas soluções tem influenciado a maneira como as coisas são produzidas em vários setores, como o automotivo, aeroespacial, petroquímico, militar e de energia, por exemplo. Em cada um destes setores, nós rigorosamente adotamos uma abordagem estratégica e de longo prazo em inovação. Nós acompanhamos de perto a evolução dos produtos que os consumidores querem que sejam lançados e desenvolvemos em automação baseados nas novas tendências tecnológicas ao redor disso. Deixe-me dar um exemplo típico: hoje, a indústria automobilística está reinventando seus produtos. Fabricantes estão criando soluções complexas que requerem novas tecnologias e materiais mais leves. Como resultado, a automação está se tornando o fator-chave que assegura que esses novos materiais serão usados da forma correta.

Entretanto, outros setores, como o de aeronáutica e aqueles relacionados à energia (motores elétricos, baterias e componentes), alimentício, industrial em geral, estão cada vez mais focados em como a indústria pode melhor a qualidade, reduzir custos, aumentar a produtividade e, em pouco tempo, melhorar a competividade.

Qual é a abordagem da Comau quando trabalha com clientes em novos projetos ou em novos setores?

Nós projetamos e construímos produtos que são modulares, flexíveis e altamente configuráveis, que podem ser adaptados à necessidade de cada cliente. Como resultado, podemos oferecer à fabricantes de todos os portes e de quase todos os setores, uma solução que conversa com seus requisitos comuns enquanto atende à necessidade específica. Estes componentes da automação avançada permite aos nossos clientes desenvolver novos modelos de negócios e tempo de resposta mais rápido para o mercado.

Um bom exemplo disto pode ser visto no trabalho que está sendo feito pelo nosso grupo Powertrain, Machining and Assembly. Os produtos são projetados para serem 70% configuráveis em sua configuração básica, 20% adaptados à necessidade específica do cliente e 10% ajustável a cada projeto em particular. Isto significa que nossos produtos podem ser facilmente adaptados para uma estrutura única e exclusiva de produção enquanto encurta o tempo de entrega, garante altos níveis de produtividade e precisão em longo prazo.


Na Robótica, estamos investindo muito no desenvolvimento de soluções inteligentes que combinam alta produtividade, qualidade e precisão na automação industrial flexível com produção focada em métodos para pequenas e médias empresas. Isto tem nos permitido ajudar a automatizar processos que seriam impossíveis ou irreais, em alguns anos atrás.


Aqui estou eu me referindo a tudo, desde a logística de entrada e saída para várias operações de fábricas, até mesmo a automatização dos processos delicados, como vidro, papel e alimentos.

Nós mencionamos fontes de energia renovável. Como a Comau está lidando com as regulamentações de proteção ambiental?

As novas regulamentações ambientais são grandes influenciadoras do mundo industrial, e tem acontecido diferentemente em cada país.


Mais precisamente, nós estamos trabalhando na otimização dos processos industriais e plantas produtivas existentes. Desta forma, somos capazes de ajudar empresas a reduzirem o consumo de energia de maneira eficiente e ser mais competitivas no mercado, enquanto, ao mesmo tempo, cuidamos do meio ambiente.

Em termos de desenvolvimento de países, Quais são os novos mercados-alvo da Comau?

A China é um parceiro-chave na nossa estratégia e tem um papel importante para a nossa organização. Nós temos mais de 1.000 pessoas e 4 localidades na China (Uma delas é o Centro de Pesquisa). Nos próximos 3 anos, nós queremos vender mais robôs na China do que no resto do mundo.


Em uma escala mais global, a constante necessidade de ter um tempo mais curto para o mercado obriga muitos de nossos clientes a construir suas plantas mais perto do mercado final. Isto significa que podemos garantir a mesma capacidade de execução em nível mundial. Nossa rede mundial cobre 17 países e 33 escritórios. Nós aprendemos a gerenciar nossos processos globais assim como integrá-los a cultura local. Uma parte importante do trabalho dos nossos colaboradores em desenvolver países. O que significa que estamos fisicamente mais perto dos mercados emergentes do que nossos concorrentes.